sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Viu a mãe fazendo coisas do arco da velha com um amigo



Contagem de hoje: 1.533.715 acessos em 2.667 contos publicados.

(escrito por Kaplan)

Chegar em casa fora dos horários rotineiros costuma causar problemas a esposas, maridos... entendem, né? Podem descobrir que tem “alguém” frequentando a casa em sua ausência.

Mas causou um grande problema também para o Inácio, jovem universitário que saiu de casa cedo, deveria voltar apenas na hora do almoço, mas quando chegou na faculdade deparou-se com a ausência dos professores com os quais teria aulas naquele dia. Então, bateu papo com alguns colegas e voltou para sua casa.

Era casa mesmo, num bairro bem residencial que teimava em existir na cidade que só crescia verticalmente. Ele estava acostumado a entrar por uma porta lateral, que dava acesso ao quintal, percorria a distância entre a entrada e a cozinha, e entrava por lá, sempre encontrando sua mãe, dona Branca, terminando o almoço.

Só que, naquele dia, ao passar pelas janelas ouviu sons que o deixaram intrigado. Primeiro: era uma voz masculina. Falando baixo, ele não conseguiu compreender o que ele dizia. Segundo: gemidos e com certeza eram da mãe...
Prestou mais atenção, sem fazer barulho. Aquela janela era da sala, estava fechada, mas dava para ouvir os gemidos e logo ouviu a mãe dizer:

- Vamos pro quarto, a cama é mais confortável!

Não estava acreditando no que ouvia. Tratou de chegar à janela do quarto da mãe e aí ouviu os dois rindo.

- Fecha a porta, querido!
- Pra que? Seu filho ainda demora... dá tempo de fazer tudo que a gente gosta!

Ouviu ela rindo, feliz.
Não estava acreditando, então olhou a porta da cozinha. Estava aberta, entrou sem fazer barulho algum, tirou os sapatos e foi, descalço, na direção do quarto dela. A porta estava, realmente, só encostada ligeiramente, dava pra ver dentro do quarto e ele ficou espreitando. E aí viu coisas do arco da velha. Nunca imaginara que a mãe fizesse o que ele viu ela fazer! 

Minha mãe com o vizinho... e olha só o que ela faz!!!
Ela já estava nua, deitada na cama e a pessoa que estava com ela ele reconheceu, era o vizinho, Genésio, que sempre frequentara a casa...

“Que safado... vive aqui e aparece sempre que não estou... quantas vezes será que ele já veio aqui quando estou na faculdade?”

E ficou vendo o que eles faziam. Ele já tinha tirado a roupa e estava de costas para a porta. O Inácio só via o bundão dele, mas como ele estava com a cabeça enfiada no meio das pernas da mãe, ele sacou que o Genésio devia estar lambendo a perereca dela.

E, de fato, era isso mesmo que ele fazia. Para Branca, descobrir o Genésio foi descobrir uma forma diferente de trepar. Com o falecido, era só papai e mamãe, nada de sexo oral. Ele ficava bravo até quando ela pegava no pau dele.

Pois o Genésio adorava que ela pegasse, ensinou a ela como fazer um boquete e quase a matou de gozo quando lambeu sua xotinha pela primeira vez. E ela não deixava passar a ocasião para ser lambida. E chupava muito bem, como o Inácio viu em seguida. 

Chupando o pau dele... quem diria!
Ela estava ajoelhada na cama, o Genésio deitado, um pau enorme, duro, apontando para o teto. E ela o engoliu inteirinho!

“Caramba! Ela é a própria garganta profunda! Como consegue colocar aquilo tudo dentro da boca?”

Pois ela conseguia e quando tirava o pau de sua boca, dava para ele ver a baba que ela soltava, e aí lambia o pau dele, até engolir as bolas ela engolia!
Inácio pensou em sair, em entrar no quarto e dar um esporro nos dois... mas aí percebeu que estava de pau duro também. Como assim? Excitado com a própria mãe? Mas era isso que ele estava sentindo... então continuou a olhar...

Foi bom demais, como sempre...
E aí ele viu tudo o que Genésio e a mãe faziam na ausência dele... viu a mãe cavalgando, e ela estava de frente pra porta. Viu os seios dela, viu a xotinha peluda subindo e descendo no cacetão do Genésio. E depois ela virou e ele viu a beleza da bunda... não conseguia tirar a mão do pau... aquilo era muito excitante.

E viu ela ficando de quatro e o Genésio metendo bronca por trás. E aí ela caiu deitada na cama, com um sorriso enorme nos lábios. Ela tinha gozado, foi o que ele percebeu.
Ouviu ela pedir para o Genésio ir embora.

- Vai, Gê... tenho de tomar um banho e fazer o almoço do Inácio. Vai poder voltar amanhã?
- Nem sei porque você pergunta isso todo dia... sabe que posso... é só me ligar que eu corro pra cá!

Ela riu e o chamou de gostoso.
Ele vestiu e saiu. Ela ainda estava deitada, nua, relembrando os bons momentos que acabara de viver, quando olhou para o porta e viu o filho. Arregalou os olhos, levantou rapidamente, tentou proteger os seios e a xotinha. 

Não precisa tampar... eu já vi tudo!
- Mãe, não precisa tentar esconder... eu já vi tudo, eu estou aqui desde o começo...

Ela se rendeu. Não tentou esconder mais nada.
Sentou na cama e chamou o Inácio para sentar ao lado dela. E explicou tudo, como o sexo com o pai dele era horrível e como o Genésio, após ela ficar viúva, se aproximou e acabou rolando.

- E você viu tudo?
- Vi.
- Pois é, filho, eu estou tendo uma vida sexual somente agora, depois que comecei a transar com ele. Não fique aborrecido comigo, mas orgasmo eu só estou tendo agora... com seu pai eu nem sabia o que era orgasmo.
- Está bem, mãe, não estou aborrecido. Você tem o direito de ser feliz. Só vou te pedir uma coisa: quando ele chegar, tranque as portas da sala, da cozinha... hoje fui eu que entrei, mas pode acontecer de outra pessoa entrar, um ladrão, um malfeitor... tome cuidado!
E mãe... que corpão a senhora tem, hein? 

Ela riu, meio envergonhada. Mas que filho maravilhoso ela tinha! Não tinha problema ele ter visto!

A sogra safadinha, o filho e a nora



O mundo está de cabeça pra baixo!

(escrito por Kaplan)

Já vimos várias histórias em que a sogra era a mãe da esposa e faturava o genro. Muito boas as histórias. Mas a de hoje é diferente, porque a sogra é a mãe do marido e... bem, vamos ao caso!

Linalva e Victor se casaram depois de curto namoro e noivado. Gostavam muito um do outro, tinham a vida mais ou menos resolvida, já tinham apartamento próprio... pra que demorar a ser feliz? 

Pode tomar banho comigo, filho...
Só que Linalva não sabia de um detalhe importante: o Victor e a Viviane, mãe dele, tinham alguns “compromissos” considerados tabus... ou seja, eles davam umas transadinhas de vez em quando...
Isso porque Viviane era viúva e um dia rolou de ela estar no banho, o Victor entrar no banheiro e vê-la... e os olhos dele brilharam e os dela também.

Corajosa, ela o chamou para entrar no banho com ela, ele entrou e aí rolou...
E depois daquele dia, vários outros aconteceram, inclusive enquanto ele estava namorando a Linalva.

E um belo dia, a Viviane foi fazer uma visita a eles e encontrou apenas o filho. Linalva tinha saído e, segundo o Victor, iria passar a tarde toda fora.

Então Viviane teve a ideia de, sentada no sofá ao lado do filho, abaixar a calça dele para dar uma olhada no “velho amigo”, que tantos prazeres já tinha lhe proporcionado.
E aí veio a vontade e ela começou um boquete, o bicho endureceu totalmente.

- Tem certeza de que a Linalva não vai chegar?
- Mãe, ela me disse que deveria chegar só pro lanche da noite...
- Então temos tempo para uma trepadinha?
- Acho que sim... tá a fim?
- Muito! 

Ah... filho... estava com saudade...
 Então caminharam para o quarto, ele já foi arrancando as roupas, ela também e ao chegarem, ela deitou e ele começou a dar uma boa lambida na xotinha dela. Esquecidos da vida, ela de olhos fechados e ele de costas para a porta do quarto, não perceberam a chegada da Linalva. 

Mas se vocês, leitores e leitoras acharam que ia acontecer um escândalo, se enganaram. Ela já tinha reparado, desde a época em que namorava o Victor, que mãe e filho tinham uma relação muito especial. E um dia ela conseguiu ver um beijo na boca dos dois, na cozinha. Teve a certeza de que rolava algo entre eles e estava esperando a ocasião para colocar as coisas em pratos limpos.
Então, em vez de escândalo, ela só falou:

- Eu tinha certeza de que vocês faziam isso...

O susto. Viviane abriu os olhos, assustadíssima. E Victor, com a boca na xotinha dela, ficou paralisado.
Linalva foi caminhando até a cama.

- Podem continuar, eu sabia que ainda veria esse espetáculo... mas agora, querido, você terá de dar conta das duas, porque eu vou entrar ai nesse meio...

E tirou a roupa e pulou na cama, abrindo as pernas para que o Victor também a chupasse.
Victor e sua mãe entenderam na hora que Linalva tinha aceitado e não apenas, tivera a vontade de fazer um ménage. Ele, então, caprichou na chupada da xotinha da esposa, enquanto Viviane, entusiasmada com as novas possibilidades, passava a mão nos cabelos da nora e, não resistindo, deu-lhe um beijo na boca, a que ela correspondeu. 

Nossa família será sempre muito feliz!
E quando Viviane sentou-se no pau do Victor e começou a cavalgar, Linalva ajoelhou-se ao lado deles e ficou mamando nos belos seios da sogra.

E Victor mostrou ser um bom amante, deu conta das duas, as duas gozaram e depois ele ainda deu o pau pra elas chuparem até ele gozar. E o beijo das duas, trocando o leitinho dele, selou o início de novos tempos.

Mas conversaram bastante assim que a farra terminou. E Linalva revelou alguns segredos dela.

- Sabem por que não fiquei assustada com o incesto de vocês? Porque pra mim, não é tabu. Quem tirou minha virgindade foi um tio. E eu transei muito com ele. E também com minha prima, filha dele, que nos viu. Ela é lésbica, e me ensinou muita coisa. Prepare-se, sogrinha, em nossos próximos ménages eu vou te dar tanto prazer quanto o Victor!

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Ela convidou a amiga recem-divorciada para um ménage com o marido



Esse convite era irrecusável!

(escrito por Kaplan)

Parece incrível, mas aconteceu! Um casal amigo nosso, Zélio e Ercília, com quem fizemos muitos swings e ménages (eu com as duas, ele com as duas, eu e ele com Meg, ele e eu com Ercília), recebeu a visita de Suzane, que eu e Meg não conhecíamos. Mas era amiga deles, de longa data.

Na verdade, quando Suzane esteve no apartamento deles, encontrou apenas a Ercília, com quem desabafou que havia se divorciado. 

Oh amiga... que chato seu divórcio!
- Mesmo, Suzane? Incrível! Quando foi isso?
- Já tem quatro meses.
- E por que não me falou antes?
- Ah, querida, a gente fica meio desorientada quando acontece... e acaba se esquecendo dos amigos. Agora que minha cabeça está voltando pro lugar e então vim falar com vocês.
- Posso saber o motivo? Se achar que não deve falar, tudo bem, mas é que a gente via vocês sempre juntos, alegres...
- É verdade, mas a gente estava disfarçando. Tem mais de ano que as coisas se tornaram complicadas. Não, não foi traição não, é o viver junto mesmo, ter gostos diferentes demais...enfim, chegamos à conclusão de que não dava mais para continuar. Mesmo sendo algo consensual, recomeçar a vida não é muito fácil. A gente começam a sentir falta de muita coisa, até de sexo. Eu já ando subindo pelas paredes...
- Nossa...imagino. E não tem ninguém em vista?
- Não, ninguém. Todos os bons caras já estão casados.
- Suzane, deixa eu te perguntar uma coisa: vocês tiveram algum tipo de relacionamento diferente, não muito usual?
- Como assim?
- Chegaram a fazer ménages, troca de casais...
- Nunca. Mas por que você me perguntou isso?
- Eu e o Zélio fazemos.

Suzane arregalou os olhos.

- Mesmo? Não está zoando comigo não?
- Não, não estou, e é por isso que te perguntei, porque como nós gostamos muito de você e sabemos que a recíproca é verdadeira, queria te convidar pra fazer um ménage com a gente.
- Eu não sei o que dizer.
- Diga sim!
- Não brinca, Ercília...  nem sei como se faz isso.
- É simples, a gente tira a roupa e vai pra cama, ou pro sofá... e o Zélio nos come, ele é muito bom, você vai ficar satisfeita, garanto.
- My God... nunca pensei nisso.
- Pois pense, não precisa decidir agora. Pense e se quiser me avise, a gente marca. Eu poderia te falar de um casal com quem fazemos sempre, mas você não os conhece. Eles podem te dizer como é bom. Quer um conselho? Vou te indicar alguns sites com filmes com ménages. E tem também alguns contos eróticos em que ménages são descritos. Veja, leia e depois me fale. 

My God... esses contos me excitam... deve ser bom mesmo!
Suzane, ainda meio atarantada, seguiu o conselho. Foi pra casa, viu alguns filmes, leu alguns contos.
Chegou a se masturbar, de tão excitada com o que lia.
Ligou pra amiga.

- Oi, Ercília. Eu vi e li.
- Gostou?
- Não vou falar que não gostei. Mas fiquei cabreira com uma coisa. Em quase todos os filmes as mulheres não são apenas comidas, elas se beijam, se tocam, se chupam... é assim mesmo?
- Olha, a gente faz o que gosta. Se você não curte, prometo que não te agarro... o importante é você entrar na dança e aceitando dançar não importa qual a música. Mas se não gostar é só falar, a gente respeita sempre a vontade de todos.
- Acho que vou arriscar.
- Podemos no sábado, quer vir aqui ou vamos aí?
- Eu vou aí.

E ela foi, tremendo, mas foi.                

Você vai gostar... relaxa... vai ser bom!
O Zélio a recebeu. Beijou-a, e ela arrepiou toda.

- Cadê a Ercilia?
- Tá no banho, já já ela chega aqui. Vem cá, senta comigo.

E o Zélio, bem escolado, começou a abraçá-la e a beijá-la. Afoito, levou a mão à altura dos seios dela, abaixou o vestido e gostou de ver que ela estava sem sutiã. Tirou os seios pra fora da blusa e mamou neles. Suzane já estava amolecendo por completo, e quase desvairou quando sentiu a mão dele em sua xotinha. Gemeu, esbaforida... já tinha muito tempo que não experimentava aquelas sensações.
E então, Ercilia chegou na sala. Já tinha visto, do corredor, o que estava rolando e já chegou nua.

- Mas olha só... nem me esperaram... tá gostando, Suzane?

Ela nem respondeu, só revirou os olhos.
Ercília foi chupar o pau do marido que já estava mandando brasa com sua língua na xotinha da Suzane.  Ninguém falou mais nada, deixaram que os instintos os governassem.
Suzane foi colocada sentada no pau dele, gemia sem parar e ficou alucinada quando viu Ercília mamando em seus seios. Nunca tinha acontecido com ela, nem nas brincadeiras adolescentes. Uma mulher mamando nos seios dela e ela sentada no pau do marido daquela mulher. Estava tão enlouquecida que gozou. 

Suzane... como você chupa gostoso... estou adorando!
Então o Zélio foi comer a esposa, e Ercília convidou Suzane para mamar nela. Bem desajeitada, ela fez o que a amiga pedira. E descobriu que era gostoso. E logo depois descobriu que havia outra coisa muito gostosa: ser chupada por uma mulher. E chegar à conclusão de que era melhor do que as chupadas do ex-marido e até mesmo as do Zélio. E assim, procurou chupar a amiga que também gostou muito.
Quando o Zélio gozou, despejando no rosto das duas, ela riu muito.

- Gente, que coisa maravilhosa... por que eu nunca fiz isso?
- Pois está em tempo de fazer muitas vezes. A partir da próxima vai sentir muito mais prazer.
- Está me dizendo que vão me convidar de novo?
- Claro! E quando arrumar um novo namorado, faça o favor de arrumar um bem liberal que aí faremos swing também!