sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Denise agradecendo a estadia na Itália

Amigas e amigos. Chegamos hoje a 1.672.331 acessos. 2.745 contos publicados! E semana que vem teremos outra Semana Temática, com o tema escolhido por um leitor: SECRETÁRIAS.
Serão 10 contos falando de secretárias. Cada qual melhor do que o outro. Não percam!

(escrito por kaplan)  

Depois de nossas aventuras na Itália, quando Denise ficou conhecendo o Renzo e trepou lindamente com ele, eu tive a alegria de hospedá-lo quando ele veio ao Brasil. Não ficaria muito tempo apenas dois dias, pois viera a negócios e tinha outros locais do país para visitar. 

Olha só... ela ficou exibicionista...
Denise não mora comigo, tem seu apartamento, mas fez questão de dormir comigo na noite em que ele ficou lá. Coloquei-o no quarto de hóspedes e ela, depois de tomarmos um bom  café, seguido de um vinho ainda melhor, já foi se trocar e voltou à sala com uma camisolinha que eu acho que ela comprou pra ocasião. Eu não tinha visto ela com aquela camisola até então. Super transparente, exibindo os seios desavergonhadamente.
Mas acabamos indo para os quartos.
E notei que ela ficara meio decepcionada.

- O que foi?
- Uai... achei que ia rolar alguma coisa, talvez um ménage...
- É, também pensei, mas acho que ele está muito cansado. Deve ser isso.
- Poxa, eu senti que não agradeci devidamente as gentilezas dele quando estivemos na Itália...
- Ah, safadinha... entendi o que você estava querendo...

Ela riu, meio envergonhada.

- Vai lá, quem sabe ele ainda está acordado?
- Não vai ficar bravo comigo?
- Claro que não... vai lá!

Ela me deu um beijo e saiu do quarto. Duas horas depois senti ela deitando em minha cama. Acordei e perguntei se tivera sucesso.

- Hum hum... pude agradecer a ele de uma forma bem legal.
- Vai me contar?
- Quer saber?
- Eu quero! 

Quem não acordaria com essa língua no pau?
- Entrei no quarto e vi que ele estava ressonando. Mas resolvi tentar. Tirei a camisola e a calcinha, subi na cama e entrei debaixo da colcha. Adivinha... ele dormia peladinho... aí comecei a beijar o pau dele, e fui chupando, e ele endurecendo, e ele acordou.
Me perguntou o que estava acontecendo e eu falei que era a minha maneira de agradecer por tudo que ele havia nos proporcionado na terra dele. Ele deu um sorriso, levantou o corpo, ficou sentado, me puxou pra perto dele e me deu um punhado de beijos.
Aí, depois, eu chupei mais ainda o pau dele e ele me pôs deitada, com as pernas abertas e me chupou também... me fez lembrar as chupadas que ele me deu na Itália... como gostei!
Aproveitou minhas pernas abertas, ficou de joelhos e enfiou o pau em mim e começou a me dar estocadas e mais estocadas. Não ouviu meus gemidos não?

- Não, dormi logo...
- Pois gemi muito!

E aí ele tornou a me chupar e me comeu de ladinho... depois virou meu corpo, me deixou de quatro... e toma mais pau... aí eu gozei, tava bom demais!
E ele, pra variar, gozou em minha bunda... fiz cara de brava, falei que ele tinha de limpar, então ele me carregou pro banheiro e me deu um banho. Não acredito que você não ouviu o barulho do chuveiro! 
No chuveiro ela dá tudo...

- Não ouvi mesmo, dormi pesado!

- E lá no chuveiro...

- Um cuzinho foi pro beleleu!

Ela riu. 

- Foi mesmo... aí ele me disse que precisava descansar pois tem uma agenda cheia hoje. Então vim pra cá. 

Pena que ele não vai dormir aqui de novo... agradecer gentilezas é meu forte!

 





A sobrinha, a amiga e um terceiro personagem que surgiu para alegrar as duas



Um é pouco, dois é bom, três é ótimo!

(escrito por kaplan)

Paulinha chega em meu  apartamento com um expressão de grande felicidade no rosto. Eu conhecia aquela expressão e, rindo, só apontei o sofá para ela se sentar e começar a me contar os santos, pois o milagre eu já imaginava.
Mas, na verdade, foi uma surpresa e tanto o que ela me contou.

- Lembra da Manuela, tio?
- Sim, aquela lourinha que você me apresentou e que quase morreu de vergonha quando ficou sabendo que você já tinha me contado das aventuras de vocês duas...
- Ela mesmo. Pois então, eu me encontrei com ela no apartamento dela, ela queria me mostrar um brinquedo que tinha comprado.
- Brinquedo? 

Olha só que brinquedão lindão!!!

- Tio... brinquedo sexual... um belo consolo!
- Ah, entendo...
- Pois então, fui lá e logo começamos a trocar nossos beijos.... e tiramos as roupas e nos chupamos, beijamos...  e depois ela colocou o consolo em mim e ficou me cutucando... nossa... que coisa boa... um  pinto que nunca goza... e a gente goza muitas vezes... foi bom demais...

Depois de eu gozar duas vezes com ela me cutucando, tratei de fazer a mesma coisa com ela e ela também gozou.

E aí começamos um 69, eu em cima dela e eu com a bunda voltada para a porta do quarto... e aí eu sinto uma segunda língua me lambendo a bunda. Assustei e olhei pra trás.  E vi o irmão dela, o Rafael, pelado e me lambendo a bunda. Não entendi nada, saí de cima dela e fiquei esperando uma explicação. E ela me disse que o Rafael ficou louco pra me conhecer quando ficou sabendo de minha existência.

- Eles dois...? 

Foi maravilhoso o que aconteceu!

- Sim, eles transam, nem precisei perguntar, porque ele já foi enfiando o pau na xotinha dela, de ladinho e bombando, bombando... aí eu fiquei em pé, cheguei meu corpo perto dele, que ficou me chupando enquanto metia na irmã.
E depois ficamos nós duas chupando o pau dele. Belo pau,viu? Muito bonito, saboroso e nutritivo!
E aí... eu é que fui comida por ele. Me ajoelhei na frente da Manuela e recebi a tora, enquanto ficava enfiando os dedos na xotinha dela. Ela já estava acabada...e eu também, porque ele meteu tanto que gozei de novo. Três gozos numa tarde só...é mole?

- Pois sou capaz de apostar que você está querendo mais um...

Ela deu uma gargalhada...

- Claro que quero... por que acha que vim te contar?

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Quando ela se encontrava com os dois, rolava de tudo



Ela adorava tais encontros!

(escrito por kaplan)

Relembrando, novamente, os velhos tempos da Meg iniciante das maravilhas do sexo, poucos anos após nosso casamento.

Dessa vez a história se passa com dois ex-colegas do 2º grau, que bolinavam demais com ela quando estudavam, mas ela resistia, impávida. 

Mas aí, terminou o 2º grau, casou comigo, mudou de cidade. Então, ela devia ter 21 anos, e os dois colegas, Matheus e Eliezer também tinham idade igual ou parecida, ela ficou sabendo que eles haviam se mudado para a nossa cidade também. Sabe como é, cidade do interior não tem muitas perspectivas de trabalho, nem de estudo, então eles vieram tentar a sorte na capital.

E já que agora ela andava livre, leve e solta, fazendo de tudo em termos de sexo, bateu a vontade de revê-los. Procurou saber onde eles estavam morando e como era numa pensão, lá não teria jeito de eles fazerem nada.

Então me perguntou se eu me importaria de ela levá-los à nossa casinha. Eu não me opus e ela, então, marcou com eles. Que compareceram, já sabendo que teria mais coisas do que já haviam feito...
E para que eles não tivessem dúvidas sobre os ambiciosos planos dela... quando chegaram já a encontraram vestindo apenas uma saia, sentada num dos bancos do jardim. 

Eliezer, me belisca... ela está com os peitos de fora!!! (foto: Kaplan)
Sim... seios à mostra!
E os dois babaram. Olharam um para o outro e entenderam que finalmente ia acontecer. Voaram na direção dela, a pegaram, a beijaram... os seios foram as maiores vítimas dos beijos e chupadas...

- Calma, gente... calma... vamos entrar, aqui no jardim não dá...

Foi puxando os dois, entraram na casa.

- Gostaram da surpresa?
- Puxa, Meg... incrível... então isso quer dizer que finalmente você vai topar fazer o que a gente sempre quis?
- Eu vou... vocês ainda me querem?
- Que pergunta mais besta! Mas explica pra gente porque você nunca quis... nós transamos com praticamente todas as colegas do colégio, só você não quis...
- Ah gente... eu queria, mas era muito careta, morria de medo do meu pai descobrir e me expulsar de casa... essas coisas. Mas agora não tenho mais medo, não sou mais careta... e estamos falando muito, vamos fazer o que a gente sempre quis. Tirem as roupas!

E ela deu o exemplo, tirando a saia e deixando os dois admirados porque ela não estava de calcinha. Ficou esperando os dois se despirem, louca pra olhar os paus deles. E os achou muito bonitos. Tinha de saber o sabor também, então desandou a chupar os dois. Ora um, ora outro...
E logo o Matheus quis sua boca com exclusividade, então ela ficou de pé, inclinada para chupá-lo, do que o Eliezer se aproveitou para enfiar o pau na xotinha dela.

Ela já tinha feito alguns ménages, não muitos... e estava adorando os dois ali com ela.
Depois de receber muitas bombadas, ela sentou no pau do Matheus e, enquanto pulava, chupava o pau do Eliezer.
E teve um belo orgasmo pulando nele.
E o que ele fez? 

Rapazes... sabem fazer DP... ótimo!
Isso mesmo, tirou o pau da xotinha e enfiou rápido no cuzinho dela que deu um grito.

- Cara... quer me arrebentar? Aí atrás tem de ser com mais jeito...
- Mas já entrou tudo, não se preocupe.

Ela pensou que iria continuar chupando o Eliezer, mas ele, astutamente se posicionou para enfiar na xotinha dela. Uma DP!!       

- Naquela época vocês já sabiam fazer isso?
- Claro, fizemos com muitas colegas nossas...
- O que eu perdi, hein?
- Não foi por falta de insistência nossa...
- Eu sei... mas e agora, vão ficar parados aí?

Eles riram e o Eliezer começou a bombar no cuzinho dela e ela mexia o quadril de modo a dar um esfregaço no pau do Matheus...e logo ela sentiu aquela coisinha quentinha inundando seus dois buraquinhos.

- Meninos... que coisa mais gostosa...
- Nós também gostamos muito. Matamos nossa vontade de te ver pelada, de te comer... seu marido não se importa não?
- Nada... ele é que me ensinou a ser assim...
- Isso quer dizer...
- Sim, podem voltar... é só me avisar com antecedência...

Eles foram embora, mas voltaram alguns dias depois. 

Ei... querem entrar???
E foram recebidos por uma Meg sorridente... e nua já ao abrir a porta.

- Que bom que vocês voltaram!
- Você sempre recebe os outros assim?
- Só aqueles com quem pretendo fazer coisas maravilhosas!!
- Hummm... e já recebeu muitos?
- Um tanto... felizmente não sinto falta!

Rindo, entraram e já foram arrancando as roupas e ela sentou no sofá e ficou chupando os dois.

- Meg, a gente saiu daqui aquele dia comentando... já fomos chupados por muitas meninas, mas você dá de 10 a zero nelas... Você dá a impressão de que gosta muito de chupar um pau.
- Gosto mesmo... como gosto!
- Pois é, é delicioso ser chupado por você...
- Então, parem de falar porque minha boca prefere ficar ocupada com os paus de vocês...

E ainda demorou muito chupando os dois. Só depois é que ela se espichou no sofá e o Eliezer já foi enfiando a pica na xotinha dela. O Matheus levou o pau à boca da Meg que não se incomodou, continuou boqueteando. 

Trepar com vocês é tudo de bom!

Depois cavalgou o Matheus e chupou o Eliezer.

Ficou de quatro para chupar o Matheus de novo e Eliezer voltou a comer por trás, não o cuzinho, a xotinha mesmo.
E terminaram com outra DP e dessa vez foi o Matheus quem enfiou no cuzinho.

Surpreendentemente essas foram as duas únicas vezes em que ela transou com os dois. 

Eles nunca mais foram juntos lá. 

O Matheus voltou uma meia dúzia de vezes sozinho, o Eliezer umas quatro. Depois sumiram.