sexta-feira, 26 de maio de 2017

Foram visitar a amiga, mas tinham outras intenções



Mais uma colaboradora, para encerrarmos as comemorações. Ela me mandou este conto, falando que é verdadeiro, pois narra o que aconteceu com um casal amigo dela. Eles autorizaram a publicação.
E com este conto, encerramos a semana comemorativa dos 2.500 contos publicados. Semana que vem voltamos à rotina de dois contos publicados diariamente.
 
 (escrito por Mila)


Depois que a gente experimenta ménages, ficamos mal acostumados. Ouvi isso de muitas amigas e amigos e eu também sempre tive a mesma sensação. É muito bom, e é sempre bom repetir.

Foi o que aconteceu com o casal Valdir e Eliane que, quando conheceram a Ludmila, se deram tão bem, verificaram tantas afinidades que terminaram indo pra cama os três, foi uma experiência maravilhosa e o casal ficou com vontade de repetir.

Como Ludmila era solteira e morava sozinha, Eliane ligou pra ela e falou da vontade deles, no que foi correspondida. Afinal, Ludmila também gostara muito. Então combinaram de eles irem visitá-la no final de semana.

E lá foram eles. Recebidos com festa pela amiga, que logo trouxe bebidas e salgadinhos e eles conversaram muito, beberam, comeram. E quem deu início à atividade para a qual haviam se reunido foi a Ludmila.

- Gente, confesso a vocês que aquele dia em que a gente ficou junto foi muito bom. Aliás, foi ótimo! Vocês gostaram também, não é?

Eliane respondeu que sim, confessou que havia sido a primeira vez deles mas que ambos adoraram.

- E Ludmila, apesar da nossa ingenuidade naquele dia, o que mais você gostou?
- Posso falar com toda a sinceridade?
- Claro que pode!
- Foi da pica do Valdir. Amiga, você tem muita sorte! Casou com um marido que tem uma pica de ouro! 

Eu também acho que a pica dele é ótima...

- Olha só Valdir... você fez mais sucesso do que eu! – Eliane gargalhava ao ver que o Valdir tinha ficado vermelho. – Oh, querido, fica constrangido não...

E falando assim, ela abriu a braguilha dele e colocou o pau pra fora.

- Aproveite, amiga... já que gostou tanto, te dou o privilégio de ser a primeira a dar uma bela chupada nessa pica...

Ludmila adorou o presente e não demorou nada para pegar no pau do Valdir, colocar na boca, dar uma bela chupada que o fez enrijecer totalmente. Aí devolveu o presente para a Eliane, que também deu outra bela chupada nele.
Foi a vez de Ludmila perguntar o que Eliane tinha gostado mais e ela respondeu que tinha sido o prazer de ter algo com outra mulher. 

Sentir você mamando em mim foi algo indescritível...

- Adorei seus beijos, Ludmila... e mamar nos seus peitos... que delícia! Mas, na verdade eu adorei tudo!
- E você, Valdir?
- Olha, vou falar com vocês, foi uma experiência fascinante, mas quando que vi vocês duas se beijando, mamando uma na outra... eu quase tive um infarto de tanto tesão.
- Vamos tentar infartar ele de novo, Eliane?
- Oba! Vamos sim...

E as duas se despiram e começaram a se roçar, a se beijar, a mamar nos seios uma da outra. E ele, assistindo, maravilhado, aquele espetáculo que elas proporcionavam a ele.

Aproveitou que Eliane estava sentada no espaldar da poltrona e Ludmila estava ajoelhada chupando a xotinha da amiga para enfiar seu pau na xotinha dela.

Só ouviu um “Ahhhhhhhhh” e logo depois Ludmila pediu que ele metesse com força, o que ele fez, deixando-a gemendo sem parar. 

Ver também me dá muito prazer...

Eliane saiu de onde estava e veio acariciar o marido, que então se voltou para ela e sentou no sofá para que a esposa o cavalgasse. Ludmila ficou na poltrona, se masturbando, vendo os dois transarem.

Já satisfeitas, as duas deixaram o Valdir sentado no sofá e foram, ambas, chupar o pau dele, até levá-lo ao gozo, que elas beberam e se beijaram, trocando o leitinho entre si.

Não teve jeito... fizeram mais ménages durante anos! Era muito bom aquilo.
E é lógico que de vez em quando, eles substituíam a Ludmila por um amigo deles. E a Eliane vibrava muito quando tinha dois machos à sua disposição!

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Adoro surpresa!

Mais um conto da nossa querida colaboradora Silvana




(escrito por Silvana)

Somos um casal na faixa do 50 anos com corpos bem cuidados e você pode encontrar mais detalhes nos outros contos que publicamos neste site. Hoje vou relatar uma surpresa que ele me fez, aquelas pequenas coisas que fazem uma mulher derreter, vamos lá! 

Ontem tive que chegar cedo ao trabalho, quando sai de casa meu gato ainda dormia, pois só teria compromisso à tarde,  dei-lhe um beijinho e fui. Por volta das 11h uma mensagem no meu celular: 

-- Pode sair? Respondi que sim e segundos depois outra: 
-- Vamos almoçar juntos? Passo aí em 30min. Estou morrendo de fome, doido para comer... você! 

Uiii! já fiquei toda arrepiada e senti esquentar tudo! Quando saí meu homem já me esperava com um lindo bouquet de flores do campo nas mãos, beijou-me e caminhamos até o carro. 

Sua buceta é divina, amor!(foto enviada pela autora)

No motel, mal descemos e meu amor me pegou por trás beijando meu pescoço, nuca e passando suas mãos hábeis pelo meu corpo. Entramos e ele já tirando minha roupa beijava cada parte do corpo exposta. Levou-me para cama, beijando, lambendo e mordendo delicadamente meus seios, minha barriga até chegar em minha grutinha já molhada de Tesão. Meu homem ora enfiava sua língua em minha xota, ora mordia e lambia meu grelinho, eu gemia, gritava de prazer, logo gozei gostoso em sua boca linda! 

Divino é seu pau, querido! (foto enviada pela autora)

Nu, ele deitou de costas, seu pau estava enorme, eu só conseguia pensar em ter aquilo tudo enterrado em minha xota....Uiii! Havia uma gotinha na ponta do mastro, não resisti e cai de boca, fui chupando e lambendo ele todo enquanto minha xota molhada parece que implorava por pica. Em pé sobre aquele homem delicioso fui lentamente agachando até que aquela vara enorme se encaixou na entrada da bucetinha, fui sentando devagar, parava, levantava um pouco e voltava a sentar, podia sentir cada um dos vinte centímetros daquela pica deliciosa me preenchendo toda. Aiii que delícia!!! 

Meu homem levantava o tronco, beijava meus seios, minha boca, me abraçava e forçava ainda mais seu pauzão pra dentro de mim. Toda arrepiada sentia o gozo se aproximar com aquela vara todinha enterrada em minha xota, ficamos assim nos acariciando, nos deliciando até que não conseguindo nos segurar, gozamos, Ahhhh ! Gozamos gostoso! Deitei sobre aquele corpo delicioso e assim ficamos quietinhos, curtindo o momento! Após o almoço voltamos ao trabalho felizes e satisfeitos de amor e carinho. 

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Depois da musculação traçamos o personal



 Outra colaboradora nos enviando um belo conto para comemorarmos!


 (escrito por Carla)

Mais uma história edificante sobre alunas de academias que se entusiasmam com seus treinadores e acabam transando muito gostoso.

Eu, Carla, tenho uma grande amiga, Luciana e frequentávamos a mesma academia e tínhamos um bom gosto acentuado para escolher homens... e ambas acabamos percebendo que o personal Frederico, o Fred, era o nosso sonho de consumo   

Duas maduras gostosas, hein?
Então tratamos de seduzir o rapaz. E por mais que desejássemos uma transa ali mesmo na academia, vimos que não seria possível isso, então tratamos de descobrir um outro local.

Como eu gosto de viver perigosamente, sugeri à amiga que o atraíssemos à casa dela e já tinha até a data certa, a terça-feira da semana seguinte, quando o marido dela ia sair cedinho para uma reunião em São Paulo e só voltaria à noite.
A amiga topou. Como convencer o Fred era agora o desafio.

Mas eu tive uma boa ideia. Ela tinha, em casa, alguns tatames, pesos e outras coisas que usava nos dias em que não ia à academia. Cheguei junto do Fred e...

- Fred, você não teria um horário para ir em casa?
- Ter eu tenho, mas você está pensando em largar a academia?
- Não sei... eu e a Luciana estávamos pensando nisso, porque tem dias que fica difícil sair de casa. Você tem horário na próxima terça? Poderia ir nos atender na casa dela? Nem precisa falar isso aqui pro diretor da academia, fica uma coisa só entre nós. E se não der certo, a gente continua aqui, não vamos fechar a matrícula.

Fred concordou, mesmo sem ter entendido direito o que nós estávamos querendo. Se não der certo? O que significava isso? Bem, era profissional, vivia disso e se nós queríamos pagar a ele, sem pagar à academia, não era problema dele. Ele topava qualquer parada. 

Fuscão branco!!!!
Então, ele foi na terça-feira ao endereço que a Luciana lhe dera, foi recebido com alegria por nós duas que já estávamos vestidas a caráter: um top e uma bermuda de lycra que, se ele tivesse reparado direito, veria que o contorno das partes interessantes denunciavam a ausência de calcinha. E Luciana tinha, inclusive, um capô de fusca belíssimo. 

Mas ele não reparou de imediato. Começou a nos orientar nos exercícios e eram exercícios “puxados”, o que nos fez suar e foi o mote para eu começar o ataque ao personal. 

- Nossa! Que calor!

E tirei o top, deixando os seios à mostra e o Fred quase caiu duro. Fiz de conta que nada de diferente havia acontecido, continuei a fazer os exercícios e logo depois foi a vez da Luciana também reclamar do calor e também tirar o top, desnudando os seios.

Que maravilha... Fred adorou nos ver assim...
Aí a ficha do Fred caiu. Ele começou a sacar o que estava rolando e adorou quando nos viu nos dando um beijo.
Olhamos para ele, sorrindo e eu falei:

- Vem cá, Fred...entendeu porque a gente queria que você viesse aqui?
- Confesso que no início eu não estava entendendo, mas acho que agora eu sei...
- Então, que tal continuarmos a aula, todos nós sem roupa? E nós temos uns exercícios que podemos praticar com você...

E fomos tirando as bermudas e nuas e o ajudamos a se despir também. E gostamos de ver que ele já estava excitado.

Caímos de boca no pau dele, chupando-o voluptuosamente e depois o levamos a um sofá, onde ele sentou e a dona da casa teve a primazia. Sentou no pau dele e o cavalgou. O suor escorria do corpo dela, que vibrava com cada descida que dava no pau dele. Mas não era egoísta, sempre fazia tudo com a amiga e cedeu o lugar a mim que também pulei bastante e gozei. Então sai e Carla voltou a sentar e pular, até gozar também.

E ele procurou não gozar dentro de nós, porque, como não sabia dos planos, não levara camisinha e sem ela nunca fazia nada que pudesse provocar algum problema futuro. 

Leitinho de personal... muito saudável!
O jeito foi gozar na boca de nós duas...

Na saída, perguntou se aquilo iria acontecer todas as terças feiras.

- Não, Fred... aqui só podemos transar quando meu marido estiver viajando. Ou seja, praticamente só uma vez por mês, pois ele tem reunião de negócios na matriz da empresa que fica em São Paulo.
- Me avisem com o máximo de antecedência, para eu deixar horários livres. Afinal, atender a vocês duas é o melhor que posso fazer!