segunda-feira, 5 de abril de 2010

Que delícia de sogra!!!

(escrito por Kaplan)


Estava eu em um bar, dia desses, quando um amigo passou, me viu, entrou e sentou-se à mesa comigo. Ficamos bebendo e conversando, havia tempos que não nos víamos. Lá pelas tantas, ele me confessou que estava morando com os sogros. Havia perdido o emprego, não estava conseguindo nada, o que sua esposa ganhava não era suficiente. Então tiveram de entregar o apartamento, venderam os móveis e aceitaram, muito a contragosto, o convite do sogrão para irem morar com eles até as coisas melhorarem.

Eu conhecia todos os personagens. Marcelo, este meu amigo, era um cara alto, quase 1.90m, forte, mas que sempre levara pouco a sério os estudos. Formara-se, mas sempre passando pelas rabeiras, assinando trabalhos que outros faziam...enfim...tinha o diploma, mas o mercado exigia mais do que isso. Dai o desemprego.

Nádia, sua esposa, era uma morena linda, de olhos claros, 1,70 de puro tesão. Já tinha visto ela de biquini, tinha um corpaço. Era professora de escola pública, daí o salário dela não ser suficiente para custear a casa.

O sogro, seu Roberto, era um senhor já beirando os 60 anos, representante comercial, bem situado na vida.

Sua esposa, Manuela, já chegara aos 50, mas graças à boa situação financeira do marido, sempre pudera se cuidar e tinha um corpo ainda muito desejável.Moravam em uma bela casa, com muitos quartos, apesar de terem apenas a Nádia como filha. Não foi problema, portanto, acomodar os dois. Eles ficaram com dois quartos, um para dormir e o outro para guardar as coisas que haviam trazido do apartamento e que ainda estavam encaixotadas esperando os dias melhores.... que começaram a demorar a chegar....Marcelo bem que procurava, mas seu currículo não era dos melhores e não estava conseguindo quase nada.

A principio, ele me disse que ficava muito envergonhado com a situação, mas depois acabou relaxando e tinha dias que nem se dava mais ao trabalho de sair à procura de emprego. Em outros, ficava ajudando nos serviços da casa. Apesar de terem grana, dona Manuela não gostava de empregadas em casa, preferia ela mesma fazer os serviços domésticos. O Marcelo, então, nos dias que ficava em casa, ajudava-a a lavar as vasilhas do almoço, varria a casa, passava enceradeira. Não era ruim, e, de certa forma, era uma maneira de pagar pela hospedagem.

Com o tempo, os cuidados com a privacidade que todos tomavam acabaram se diluindo. Andar só de bermuda pela casa não era mais problema para Marcelo, especialmente nos dias em que ele ajudava na limpeza. Sair do banheiro enrolada na toalha deixou de ser problema também para Nádia e para dona Manuela, que circulavam à vontade pelos corredores.

Mas o problema começou em um dia em que Marcelo ajudava na limpeza e a sogra sugeriu que os dois limpassem um armário. Havia coisas para jogar fora, era muito entulho dentro do armário. Pois bem, começaram a limpeza, Marcelo foi retirando as coisas das prateleiras, passando para ela, que definia se jogava fora ou se devolvia para o armário. Na verdade, disse-me ele, tiraram tudo de dentro, porque precisavam dar uma limpeza nas prateleiras também.

Ele então viu vários álbuns de fotografias e dona Manuela, distraída, esqueceu-se que em um deles havia as fotos proibidas!!! Ao abrir alguns álbuns para mostrar as fotos de Nádia quando era pequena e adolescente, um deles, de cara, tinha quatro fotos da sogra nua, pelo visto quando era bem mais jovem.

Assustada, ela fechou o álbum, envergonhada, com o rosto vermelho, pediu desculpas e saiu para seu quarto, levando o álbum consigo.

Marcelo ficou excitadissimo com a situação, as fotos que vira eram de uma deusa!!! Começou a pensar, então, em uma forma de ver aquele álbum. Mas seria dificil, já que ela o levara para seu quarto.

Coincidência ou não, a partir daquele dia Marcelo passou a notar uma mudança de comportamento em dona Manuela. Ela ficou mais jovial, brincava mais com ele, e passou a usar trajes, digamos... mais sensuais. Andava de shorts pela casa, às vezes com um simples top. E Marcelo não podia deixar de notar que os biquinhos dos seios dela se intumesciam e faziam volume quando os dois estavam na cozinha lavando os pratos do almoço.

Será que estou pensando coisas? Ou minha sogra estava realmente me provocando? Ele estava confuso e, na confusão, começou até a pensar se pedir a ele para arrumar o armário naquele dia, não teria já sido um pretexto para ele ver o álbum....

A sorte o ajudou. Uns dez dias depois daquilo, ele ficou sozinho em casa à tarde. O sogro e a esposa haviam ido pro trabalho e dona Manuela teve de sair para ir ao dentista. Era a oportunidade que Marcelo queria. Assim que se passaram uns 15 minutos que ela saíra, correu para o quarto dos sogros, abriu os armários e foi procurando o tal álbum, até que finalmente o encontrou. Com o coração aos pulos, sentou-se na cama e começou a folhear o álbum, página por página. Seu pau ficou duro na hora. Era cada foto mais bonita que a outra, e ele pôde ver como o corpo de sua sogra era desde a época em que se casara. Ano a ano, o marido a fotografara nua, inclusive em algumas, tiradas com o disparador automático, os dois apareciam juntos, fazendo sexo.

Havia fotos dela nua, grávida da Nádia. Havia fotos dos dois nus em quartos de motel.... Aquele álbum era uma preciosidade!

Depois de ver atentamente, ele guardou o álbum, mas, de propósito, deixou-o em posição diferente, para ver se haveria alguma reação de dona Manuela.

Parecia que ela fizera de propósito mesmo, pois assim que chegou ao dentista, foi direto para o quarto. Marcelo observou-a pelo buraco da fechadura e viu que ela abriu a porta do armário onde estava o álbum e quando o viu fora de lugar, deu um sorriso largo e esfregou uma mão na outra, demonstrando satisfação pelo que percebera. Ela sabia, portanto, que Marcelo havia visto suas fotos. Ela deixara o álbum ali, de proposito, para que ele a visse e a admirasse.

Marcelo se retirou da porta e foi para seu quarto, deitou-se e ficou vendo televisão. Já eram 17 horas, estava quase na hora de Nádia e o sogro chegarem em casa. Dona Manuela foi preparar o lanche. Quando toda a familia já estava reunida para lanchar, foi que Marcelo saiu do quarto e se dirigiu para a copa. Tudo parecia normal, exceto um certo nervosismo de Dona Manuela. Será que ela teria se arrependido? Mas, naquela noite, não seria possível saber.

No dia seguinte, Marcelo saiu cedo para procurar emprego e voltou na hora do almoço. Terminado o almoço, Nadia foi para a sua escola e o sogro para seu trabalho. Como sempre, Marcelo se dispôs a ajudar dona Manuela na limpeza da cozinha.

Ficaram em silêncio, ela lavando, ele enxugando os pratos e panelas. Até que ela criou coragem e perguntou, de sopetão, se ele havia gostado do que vira. Pego de surpresa, Marcelo gaguejou que sim, não adiantava mesmo esconder, ela sabia....E mandando tudo pro diabo que o carregue, atacou: pena que este ano a senhora ainda não foi fotografada.... Ela sorriu e disse que o marido ainda não tivera tempo, mas que Marcelo não precisaria esperar para ver as fotos, poderia ver ao vivo e a cores mesmo.... E dizendo isso, desabotoou a blusa, deixando seus seios à vista de Marcelo que, apanhado de surpresa, não esboçou qualquer reação. Ela então desabotoou o short, deixando-o cair e mostrando uma minuscula calcinha preta. O pau de Marcelo cresceu desmesurada e rapidamente, ela levou os olhos para lá e disse:

- Eu também queria te ver nu....tenho sonhado com este pau que me tenta desde que você começou a andar de bermudas dentro de casa..... E antes que Marcelo pudesse dizer ou fazer qualquer coisa, ela chegou-se até ele, desabotoou a bermuda e deixou-a cair. O pau de Marcelo apareceu então para a sogra que, mais do que depressa, nele colocou as mãos, fechando os olhos e percorrendo toda a extensão do cacete, desde as bolas até a glande. Marcelo estava estático, havia perdido o controle da situação, que estava totalmente com dona Manuela.

Ela puxou-o pelo pau, levando-o até o quarto. Empurrou-o na cama e sentou-se por cima dele, continuando a acariciar o pau dele.... abocanhou-o e sugou-o de uma forma que ela poderia ensinar para a filha....que satisfação ela tinha em chupar um pau. Marcelo quase gozou só com as chupadas que ela deu. Depois de muito chupar, ela sentou-se em cima dele, engolindo-o completamente....cavalgou então até Marcelo ameaçar gozar, quando então ela saiu de cima e masturbou-o com rapidez....ele gozou e seu gozo atingiu o corpo dela e o dele, ela então se esfregou toda, espalhando a porra pelo corpo dos dois.....Marcelo estava abismado. Suas transas com Nádia eram ótimas, nada a reclamar...mas a mãe, ou melhor, a sogra....era uma expert no sexo. Ele nunca gozara com tal intensidade como naquele dia. Mas não pôde ficar pensando muito nisso...insaciável, dona Manuela o chamou para o chuveiro, onde o lavou e chupou de novo até seu pau dar novamente sinal de vida.

Ali mesmo, no chuveiro, ele pediu que ela "pegasse o sabonete que caira no chão" e comeu sua xaninha, por trás. Bombou, bombou até ela pedir para ele parar e gozar logo....agora ele estava no controle novamente. Deixou seu dedo chegar até aquele cuzinho que lhe pareceu ávido para ser comido também, mas nessa hora ela negou. Disse que nunca dera para seu marido e que não seria prudente ele perceber. Que Marcelo esperasse... em poucos dias o sogro iria viajar a negócios, então ela poderia dar o cuzinho para ele.....Terminaram o banho, voltaram para a cama e ficaram conversando a respeito do que iria acontecer dali em diante. Ela disse que iria torcer para ele demorar a arrumar emprego.....

Ele entendeu muito bem o que ela queria dizer com aquilo.... haveria trepadas diárias naquela casa, assim que o sogro e a esposa dele saíssem para trabalhar.

Naquela noite, Marcelo comeu Nádia de todas as formas possíveis, lembrando-se do que acontecera e pensando que em sua cama estava não sua esposa, mas sua sogrinha querida. E dona Manuela deu trabalho para seu Roberto, que chegou a estranhar o grande fogo da esposa. Mal sabia ele que ela imaginava que era Marcelo que estava na cama com ela...

Depois que Marcelo me contou isso, fiquei abismado. Nunca poderia pensar que dona Manuela fosse tão liberal assim, que não se incomodava de trair o marido e a própria filha com o genro.

Marcelo sorriu e disse-me que agora estava como ele queria: tinha uma coroa super gostosa para comer à tarde e sua esposa linda para traçar à noite. So faltava esperar ainda o sogro viajar para poder comer o cuzinho da sogra, o qual ele acariciava todas as tardes.....

Pois bem, depois que Marcelo e a sogra começaram a trepar, a vida sexual naquela casa ganhou um ânimo novo, que tanto o seu Roberto, o sogro, quanto a Náadia, a esposa de Marcelo, perceberam e ficaram meio desconfiados. Mas como ambos ficavam fora de casa o dia inteiro, não havia como eles darem algum flagra. E Marcelo, toda tarde, assim que a esposa e o sogro saiam para o trabalho, ficava pelado e ia ajudar a dona Nádia a arrumar a cozinha. E ela sempre preparava uma surpresa para ele. Num dia, por exemplo, quando ele chegou na cozinha, ela o estava esperando de frente, usando um avental. Só que quando ela ficou de costas, ele viu que era só o avental MESMO!!! ela estava nuinha o que fez com que o pau dele subisse na hora...Ele então encostou-se na traseira da sogra que, mais que depressa se abaixou, apoiando-se na pia ainda com os pratos sujos do almoço, permitindo que ele penetrasse em sua bucetinha já molhada de tesão.Enquanto bombava, Marcelo mais uma vez procurou levar o dedo até o cuzinho de dona Manuela que, como sempre, pediu para ele aguardar a viagem do sogro.

Depois de gozar abundantemente na sogrinha, Marcelo foi até seu quarto para tirar uma soneca. Mas a insaciável dona Manuela, assim que lavou os pratos e panelas, arrancou o avental e, totalmente pelada, foi até o quarto dele e vendo-o quase dormindo, caiu de boca em sua pica, chupando-o com sofreguidão e fazendo com que o pau ficasse bem duro...Feito isso, ela sentou-se nele, deixando que o pau a penetrasse vagarosamente. Ai começou a cavalgar e a gritar que Marcelo era muito gostoso e pedia que ele a fodesse e ele obedecia e metia, metia...até gozar....

Em outra tarde, quando Marcelo, já nu, foi à cozinha para ajudá-la, não a encontrou. Achou estranho, mas lavou os pratos, pensando que ela teria ido ao banheiro e que logo voltaria. Nada!Ela sumira da cozinha. Ele acabou lavando tudo. Dirigiu-se ao quarto dela e lá também ela não estava. Na sala... nada. Intrigado, foi para seu quarto e lá estava ela, vestida com uma fantasia de enfermeira: um guarda-pó todo branco e um chapeuzinho também branco. Ele sorriu, mas ela mandou que ele se deitasse porque o médico havia recomendado um tratamento que ela iria proporcionar ao doentinho, no caso, ele, Marcelo.

Obediente, ele se deitou e ela, abrindo o guarda-pó, mostrou-lhe os seios, dizendo que o médico recomendara que ele tomasse muito leite.... obediente, Marcelo mamou naqueles peitos deliciosos da sogra, mordeu os mamilos arrancando suspiros de tesão de dona Manuela. E aí a brincadeira descambou, ele puxou-a para cima da cama e se engalfinharam num 69 delicioso, ela sugava o pinto dele com volupia e ele não deixava por menos, lambendo a bucetinha e afagando o clitoris entumescido dela....ela gozou logo e, aproveitando-se de que Marcelo ainda não gozara, ficou de quatro e pediu que ele metesse por trás, mas não no cuzinho... só que dessa vez ele ousou colocar o dedo lá dentro enquanto com a outra mão segurava o seio esquerdo dela. Ela não resistiu ao dedo, dali a pouco já eram dois...ai ela mandou parar.

- Mas sogrinha, que dia seu Roberto viaja? eu já não estou aguentando mais de vontade de comer seu cuzinho...

- Espera, genrinho gostoso...ele deve ir semana que vem, ai vamos realizar a sua vontade....por enquanto, me come, me fode, me rasga com este pinto gostoso que você tem...

Na outra semana, de fato, seu Roberto viajou. Ia ficar 5 dias fora. Na ultima noite em que ele dormiu em casa, dona Manuela, talvez por um sentimento de culpa, já que nunca aceitara os pedidos dele para fazer anal, ofereceu seu cuzinho. Seu Roberto, no entanto, sem experiência em anal, acabou não conseguindo penetra-la, pois ela tinha o cuzinho bem fechadinho.

No dia seguinte, Marcelo mal se podia conter, esperando a hora de sua mulher ir para a escola, para ganhar, finalmente, o prêmio que queria há tanto tempo: o cuzinho de sua sogrinha... Mal conseguiu almoçar. Estava nervoso. Nadia notou e perguntou se ele estava bem. Dona Manuela tranquilizou-a, podia ir para a escola que se o Marcelo tivesse febre ela tinha o remédio certo para ele....Marcelo teve de se segurar para não dar uma gargalhada quando ela disse isso.

Assim que Manuela saiu, ele já foi voando atrás da sogrinha, nem a deixou lavar pratos e panelas. Carregou-a para seu quarto e arrancou-lhe as roupas, e começou a beija-la e a lambe-la, enquanto seu dedo procurava o buraquinho virgem...tinha levado um vidro de óleo para o quarto, lambuzou seu dedo e foi enfiando...ela sentiu um pouco, pediu para ele ter mais calma, iria dar conforme combinado, mas que ele se lembrasse que era a primeira vez...falou da tentativa da noite anterior e do insucesso, então Marcelo realmente se acalmou e para relaxá-la, caiu de boca em sua bucetinha, lambendo tudo e deixando a língua chegar até no cuzinho.

Quando sentiu que ela já estava bem relaxada, passou mais óleo no cuzinho, lambuzou seu pau de óleo e foi colocando a cabeça....forçando...ela sentia dor...ele tentava de novo, até que num movimento rápido, ele enfiou a cabeça de uma só vez....a sogra deu um grito e algumas lágrimas desceram de seus olhos...mordeu o travesseiro e fez sinal para ele continuar...ele foi enfiando, enfiando, devagar, mas firmemente, até que suas bolas encostaram na sogrinha...o pau estava todo dentro dela. Ele tirou e colocou novamente, aí já sentiu menos resistência...então começou a bombar, mas estava tão excitado que em menos de um minuto ele gozou abundantemente dentro do cuzinho da querida sogrinha.

Ficaram ali deitados, depois foram para o banho. A sogra quis saber se ele tinha gostado, ele disse que sim, mas que tinha sido rápido demais por conta da excitação. Precisavam repetir... ela descartou para aquele dia, estava muito dolorido. Amanhã, quem sabe...Mas treparam gostoso no chuveiro, ele sentado no chão e ela cavalgando...ela gostava muito de cavalgar...

Dia seguinte, repetiram a dose e ele, já mais calmo, pôde demorar-se mais dentro do cuzinho de dona Manuela, fazendo com que ela tivesse o primeiro gozo anal da vida dela.

Ficaram assim ainda mais dois dias. No sábado e domingo não tinha jeito, porque Nádia ficava em casa e eles tinham de se comportar.

Quando seu Roberto chegou, segredou para a mulher que conseguira uma pomada que iria ajuda-lo a comer o cuzinho que a esposa oferecera e ele não conseguira. Naquela noite, a bomba estourou....ao procurar o buraquinho que ele deixara, seu Roberto encontrou uma facilidade enorme de penetrar...e sacou logo que a esposa havia dado para alguém. Apertou-a e ela não conseguiu negar. Disse que realmente havia transado, havia colocado chifres nele.... Ele só quis confirmar se era Marcelo mesmo, ela acabou confessando que sim. Mas quando ia pedir ao marido para não fazer escândalo, por causa da filha, ele disse:

- Ainda bem que foi com ele, pelo menos fica tudo em familia! Dona Nádia não acreditava no que estava ouvindo. Seu Roberto lhe dizia que estava desconfiado há tempos. Sabia que não correspondia ao fogo de sua mulher na cama e não iria brigar com ela por isso. E gostou de saber que o genro era o felizardo porque tinha certeza de que ele não iria contar para ninguem que seu sogro era um corno.....

-Querido, mas eu tenho transado com ele todos os dias, tem mais de mês... você não se importa?

- Estou dizendo, meu anjo, pode continuar, se ele te faz feliz...só temos de tomar cuidado para a Nádia não ficar sabendo. Acho que ela não iria achar muita graça nessa historia.Feliz da vida, Dona Manuela se entregou aquela noite para seu maridão, deu-lhe o cu, deu-lhe a bucetinha, chupou-o como nunca o fizera. Tiveram uma noite de amor e de trepação que lembrava as da lua de mel.

Dia seguinte, assim que Nadia saiu, dona Manuela chamou Marcelo, na frente do marido, e contou tudo. Marcelo ficou branco, a princípio, mas depois entendeu tudo, abraçou o sogro e prometeu que não deixaria Nadia perceber nada.

Quando ele me ligou, contando isso, não pude deixar de invejar a sorte do meu amigo...uma esposa linda e gostosa, uma sogra ainda no ponto que lhe dava tudo...e um sogro que ficava feliz com tudo isso....era a vida que eu pedira a Deus!!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário