sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Quatro na cama de uma pousada


Rolava de tudo...

(escrito por Kaplan)

Há maridos, como eu, que não se importam que suas esposas viagem com amigas. Afinal, nem sempre as férias dos dois coincidem e convenhamos: quem fica de férias em casa, satisfeito, sabendo que poderia viajar, conhecer novos lugares?

Ariadna era professora e tinha a segunda quinzena de julho de recesso, mas o marido dela não. Os dois só podiam viajar juntos em janeiro, quando o período de férias coincidia.

Então,no início de julho, Ariadna conversou com ele. Havia sido convidada pela professora Marisa, colega dela, para passarem a última semana de julho numa pousada à beira-mar.

- Você se incomoda se eu for com ela? Vai ser tão bom recarregar as energias para enfrentar o novo semestre...

Ele não se opôs. 

Dar o rabinho para convencer o maridão...
- Claro, querida, aproveite, vai sim, você anda muito estressada, vai lhe fazer bem.

É óbvio que ela conversou com ele na cama, após uma bela trepada. Até o cuzinho ela liberou, o que era coisa rara... feliz da vida com a trepada, ele não colocou qualquer objeção.

Na manhã seguinte, eis Ariadna conversando com a colega Marisa e mais dois professores, Daniel e Mário.
Epa! Como é que é?

Isso mesmo... tinha mais gente na jogada... o plano era irem os quatro pra praia. Segredo total, ninguém na escola podia saber, então a conversa era bem discreta. Ela avisou a eles que poderia ir, mas seria conveniente que os dois fossem num voo antes ou depois do delas, porque o maridão com certeza faria questão de levá-la ao aeroporto.

Tudo combinado, no sábado que antecedia a última semana, as duas embarcaram. A suspeita de Ariadna procedia: o marido a levou ao aeroporto e ela percebeu que ele olhava atentamente o grupo que partia. Não viu ninguém suspeito... claro, os dois tinham ido no voo mais cedo e estariam esperando por elas na pousada.

Também para não deixar suspeitas, as duas alugaram um quarto e os dois alugaram outro. E Ariadna sempre ficava no mesmo, pois o marido pediu que ela avisasse em que quarto estaria caso ele precisasse de falar com ela. 

Pra que ir à praia? Aqui está muito melhor!
Como eles chegaram de manhã e elas à tarde, não pensaram em praia,mas em se divertir bastante. E foi no quarto delas que eles treparam a primeira vez. Os quatro na cama de casal que tinha no quarto,peladões, branquelos, fizeram a maior festa, trepando sem parar até de noite, quando saíram para jantar.

Fizeram um roteiro trepativo:
Iriam às praias pela manhã, almoçariam nas barracas de praia, coisa mais leve e voltariam para a pousada por volta de 15 horas. Antes de chegar, eles se separariam, para ninguém da pousada saber que os quatro estavam juntos.
Elas pegavam a chave do seu quarto e aguardavam os dois chegarem. Então Marisa ia pro quarto deles. Ariadna ficava no quarto que estava no nome delas e aguardava o colega do dia.

Na parte da tarde, trepariam cada uma com um. Após o jantar, com a pousada já silenciosa e bem na escuridão, os quatro se reuniriam no quarto da Ariadna para treparem em conjunto e passarem a noite toda juntos.

Em cada dia, revezavam-se os colegas. Ou seja, no domingo, Daniel treparia com Ariadna e Mário com Marisa. Isso se repetiria na terça e na quinta. Na segunda, na quarta e na sexta, Daniel treparia com Marisa e Mário com Ariadna.
Mas de noite, ninguém era de ninguém.

Como naquela primeira noite,em que os quatro dormiram juntos. Dormiram, eu disse? Errei... os quatro ficaram bem acordados trepando até o sono chegar,lá  pelas 3 horas da matina...

Os quatro pelados, após as preliminares com beijos e chupadas, Daniel começou um papai e mamãe com a Marisa, enquanto o Mario, em pé, comia a Ariadna de quatro na cama. 

Que semana maravilhosa eles tiveram!
O celular da Ariadna tocou. Era ele... ela pediu que todos ficassem em silêncio e entrou no banheiro para atender. Ele queria saber se ela tinha feito boa viagem, se o tempo estava bom... ela respondeu prontamente e ainda se mostrou nua pra ele.

- Já ia tomar um banho quando você ligou... aproveita pra ver sua mulherzinha peladinha e branquela, porque ela vai voltar queimadinha  e com aquelas marquinhas que você gosta...
- Você é uma delicia... vai tomar seu banho, vai... pena que não estou ai para te ajudar...
- Em janeiro eu vou querer que você me dê banho todos os dias que ficarmos aqui!
- Prometo... se cuida,viu?
- Pode deixar... beijo!

Desligou e voltou pra cama. Mário já tinha começado a comer a Marisa e Daniel estava deitado na cama, segurando o pau, esperando por ela, que tratou de pular em cima dele e o cavalgou bastante, primeiro de frente pra ele, depois virou o corpo e ficou de costas. A visão do cuzinho... irresistível !

- Você gosta de tudo, hein?
- Claro, quem não gostaria de um buraquinho tão apetitoso como esse?
- Eu estou tão feliz de que essa viagem deu certo que vou deixar você aproveitar!

Levantou um pouco  o corpo, o pau dele saiu da xotinha e ele o dirigiu para o cuzinho dela.

- Afffff. Grossinho seu pau...

Ele riu.

- Pelo visto, o do seu marido é fino...

Ela, feliz, deu o cuzinho.
Esta viu, e sacou: ia rolar com ela também...
 - Não é muito fino não, mas o seu é mais grosso sim... ai... entrou!

Enquanto ela dava o cuzinho, Mário e Marisa já tinham feito um 69 e ele a comia de cachorrinho.

Foi assim que começaram a festa de uma semana na praia. Tudo funcionou do jeito que pensaram, ninguém na pousada ficou sabendo que os quatro estavam juntos... e o marido da Ariadna, coitado, levou um chifre de pelo menos 15 galhos...


A formatura foi na praia


Na praia era só topless... a festa era na pousada!

(escrito por Kaplan)

O que pode acontecer quando se reúnem nove rapazes e seis moças numa praia, para comemorarem a formatura na universidade?
Acertou quem sugeriu bebedeiras, orgias e coisas semelhantes.
Pois foi exatamente isso que aconteceu quando uma turma terminou seu curso e resolveram fazer uma “formatura” especial numa paia legal, como Trancoso.

A ideia foi do Helder, que conhecia uma pousada muito legal lá e quando o grupo se formou, ao todo eram 15 pessoas, ele telefonou e reservou 4 quartos com 16 leitos no total.
E lá foram eles, de ônibus porque ninguém tinha grana para pagar avião e pousada. Mas foi ótimo, porque a farra já começou no busão. Boa parte da viagem foi realizada à noite e o que se viu foi uma trocação de lugares o tempo todo. Sei que, no final, uma das garotas comentou com as outras que tinha chupado os nove paus disponíveis! As outras riram... até parecia que só ela é que tinha feito aquilo!

Primeira coisa que fizeram depois de se instalar: ir à praia, mas não qualquer uma... em Trancoso tem uma praia onde se pode fazer topless e foi pra lá que o grupo foi. 

Nunca pensaram que formar seria tão bom!
E se fazer topless na praia era uma novidade para elas, para os rapazes foi um colírio para os olhos ver aqueles seis pares de seios,além de outros que desfilavam por lá.
Mas ali, na praia, nada mais se podia fazer a não ser apreciar os peitinhos... claro que quando nadavam era possível dar uns amassos...

Mas a “formatura” mesmo iria acontecer na pousada.  Helder era super organizado e já tinha feito uma escala de quem iria ficar aonde. Sim, três garotas num quarto e três no outro. 5 rapazes num dos quartos e 4 no outro.
No segundo dia, as garotas trocariam de quarto, afinal todos e todas tinham de se conhecer profundamente!

Nos demais dias, já com todos e todas bem conhecidos, cada um ficaria com quem estivesse a fim e iria para o quarto que desejasse, afinal tinha reservado 4 quartos...

Então, naquela tarde e noite, Fabrício, Ronaldo, Thiago e Helder ficaram num quarto com Liliane, Vânia, Luna. No outro quarto, Tânia, Gaby e Monica tinham 5 paus para se divertirem, do Leo, Augusto, Everton, Jurandir e Anderson.
Bebidas não faltaram nos quartos. 

Num dos quartos rolou isso tudo...
No quarto dos 4 rapazes logo eles exigiram que as meninas fizessem topless lá dentro e no meio de risadas, elas obedeceram, ficaram pulando e dançando mesmo sem música, só de calcinha.

Quando elas começaram a agarrá-los, um sobrou, é claro, como 2 sobraram no outro quarto, mas nem se importaram, pois a farra ia durar até a manhã seguinte, e eles poderiam pegar as meninas depois que os outros já o tivessem feito.

E não demorou para que todos estivessem nus e três paus começaram a ser chupados. Foi aí que perceberam que todos podiam participar, porque enquanto uma chupava... o que estava sobrando podia comer qualquer uma delas. O mesmo acontecendo no outro quarto, onde os dois que sobravam comiam as que chupavam... 

Todos assistiram e aplaudiram!
Mas tinha hora em que todos paravam para assistir ao desempenho de um “casal”. A  Liliane, por exemplo, foi cavalgar o Helder e todo mundo assistindo, gritando “ai, peão!”, as meninas dando tapinhas na bunda da Liliane... tudo era alegria, tudo era festa.

Todo mundo já chapado, prevaleceu o ditado “cu de bêbado não tem dono” e os três cuzinhos foram devidamente comidos pelos quatro... coitada das meninas... cada uma foi enrabada quatro vezes, e isso era só a primeira noite!

No outro quarto o que todos pararam para ver foi o boquete da Monica no Anderson. Marcaram no relógio: ela ficou meia hora chupando o pau dele. Aplausos para os dois ao final e muitos risos quando as outras duas foram conferir se o pau dele não tinha afinado com tanto boquete.

Anal também teve, e para a Gaby era a primeira vez,mereceu ser assistida também! O felizardo foi o Everton.

E assim se passaram dez dias. Voltaram da formatura com paus, xotinhas e cuzinhos totalmente esfolados... No ônibus não teve a festa da ida... veio todo mundo dormindo placidamente...


quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Graças ao Tumblr


As descobertas das redes: fantásticas

(colaboração de EspecialBH)

Ao criarmos uma conta no Tumblr, acabamos descobrindo muitos casais e singles adeptos de relacionamentos liberais.

Corpos inebriantes, cenas de sexo explosivas e vez ou outra o contato de alguém se interessando pelo nosso perfil de casal maduro, 52 e 44 anos, em forma, descontraídos e bem resolvidos, passaram a fazer parte de nossa rotina na net. 

Essas redes sociais são quentissimas!
 Um desses contatos, um executivo de São Paulo, se mostrou um pouco insistente mas também atencioso, corpo legal e um ótimo papo.

A conversa era sempre comigo, o marido, já que a esposa só queria a parte visual da coisa.

E acabamos marcando um encontro numa vinda dele à BH para falarmos mais sobre aquele mundo louco que começávamos a descobrir.

Minha esposa, embora muito excitada, nunca levou muito a sério a possibilidade de um encontro real, mas aceitou o dia de noiva que ofereci pra ela antes do encontro.

Descansada, depilada, perfumada, com uma lingerie super sexy e um conjunto de blusa branca e saia preta fomos para restaurante mais afastado encontrar com o admirador dela.

A conversa fluiu suave e gostosa e os assuntos de sexo se misturavam com coisas do dia a dia, até que ele entregou um pacote da Victória Secret para ela: - Uma lingerie deslumbrante e mais uns cremes que só as mulheres sabem exatamente para que servem. 

Ele queria vê-la assim... tesão total!

Aquilo foi uma centelha e os dois machos ficaram imaginando como ela ficaria de "angel".

Os goles no vinho ficaram mais longos, o silêncio mais presente, quando eu sugeri que fossemos a um motel para ver um desfile dela. 

Mais uma garrafa de vinho, o aviso que havia uma blitz na volta pra casa e a promessa do executivo de só olhar, fez com que ela trocasse o não enfático por um silêncio cheio de possibilidades.

Mais um vinho para viagem, a conta, nós 3 no carro e em 5 minutos estávamos na melhor suíte de um motel.

Mais 15 minutos de música alta, luzes mínimas e ela me chamando de louco serviram para nos deixar mais relaxados e eu simplesmente empurrei o pacote de lingerie para ela e mostrei o banheiro.

Ela tomou uma coragem de mulher segura de si, disse safados, e foi se trocar.

Os próximos 5 minutos demoraram algumas horas em que o admirador só sabia elogia-la e dizer que eu era um homem de muita sorte.

Ela ainda voltou vestida, foi para um canto, deixou só a luz negra e se despiu como se estivesse sozinha.

A lingerie vinho com listras brancas explodiu com a luz negra e pensei que ela realmente podia ser uma angel da Victória Secrets. 

Esta fui eu que dei pra ela...

Mas ela foi rápida, entrou no banheiro e logo voltou com a lingerie que eu havia comprado, branca e com um fio dental minúsculo.

Nova explosão de sensualidade e ela volta mais uma vez ao banheiro e agora volta vestida, senta numa cadeira e diz: - Satisfeitos? Podemos ir embora?

Aplausos, assovios, elogios e risadas marcaram os próximos minutos.

Ela, ainda mais dona de si, me chamou para irmos embora, mas eu me sentei perto dela e falei que se ela quisesse poderia aproveitar um pouco mais daquela situação, beijei e mordi seus lábios e sentenciei: - Sempre soube que você era safada.

Foi a vez dela morder meus lábios e sussurrar: - Foi por isso que eu me casei com você. E entre beijos abri alguns botões da blusa dela e me afastei de repente sentando na cama no lado oposto do quarto.

Foi a dica para o admirador se aproximar por trás, encher a taça dela e, de pé, deixar escorregar a mão para dentro do decote dela.

Um raio de excitação percorreu o ambiente deixando todos nós arrepiados.

Ele inicia uma massagem na nuca e com muita calma acaba de abrir a blusa dela, tira o soutien e vejo as mãos dele beliscarem os mamilos e amassarem os seios dela.

Com a respiração ofegante ela se levanta e ameaça ir embora, mas ele gentilmente a segura pelo braço, se aproxima e a abraça por trás.

Ela levanta um braço, agarra os cabelos dele, se beijam e se mordem e ele a segura firme, já que as pernas dela não conseguem se firmar de tanto tesão.

Mais um sarro e a saia dela que some.

Agora é ela que quer loucamente. Se abraçam de frente e ela arranca a camisa e a calça dele e se esfrega de cima a baixo.

Ele a joga na cama, ao meu lado e se ajoelha do outro lado.

Ela me olha e olha aquele volume enorme ainda preso na cueca. 

Me mostrei, agora quero te ver; você será meu!

Ela alisa a cueca dele e me beija.

Alisa meu pau e sorri para ele.

Eu vou para baixo, tiro a calcinha e começo a chupar a buceta dela encharcada.

Não preciso olhar pra saber que o membro dele já está na boca dela.


   Este conto foi publicado, originalmente, em https://especialbh50.blogspot.com/2018/10/gracas-ao-tumblr.html


Tesando os hospedes e vizinhos do hotel


Aquele hotel nunca mais foi o mesmo!

(escrito por Kaplan)      

Mais uma dessas incríveis coincidências da vida. Viajei sozinho para uma capital litorânea, a fim de descansar de fato. Fiquei numa pousada pequena, porque não queria saber de multidões. E fazia minhas caminhadas pelas praias, fotografava aqui e ali... tudo muito tranquilo.

Eis que, para chegar a uma das praias, tinha-se de atravessar uma grande ponte de madeira construída sobre um mangue. E quando estou lá, olhando os caranguejos desfilando pelo mangue, escuto uma risada feminina e uma voz masculina falando alguma coisa.

Incrível como sons de outros tempos ficam gravados na nossa memória. A voz masculina eu reconheci, era de um antigo colega de faculdade, o Luiz.

Virei-me e o reconheci. Estávamos mais velhos, cabelos já bem grisalhos, mas os rostos eram inconfundíveis. E ele me reconheceu também. Correu até mim e me deu um abraço demorado.

- Que mundo pequeno é este! Você mora por aqui, Kaplan?
- Não, bicho... só estou passeando.
- Eu também, vim aqui com minha gata, chega mais Alice, quero te apresentar um amigaço que eu tinha na faculdade. 

Ele sempre gostou das peitudas...
Ela chegou mais perto. Loura, peituda e bunduda. O Luiz sempre gostou desse perfil... Não mudara nada...

- Prazer em te conhecer, mas me diga, por que você chamou o Luiz de bicho?

Eu e ele caímos na risada. Ela era bem mais nova que ele, não era do nosso tempo.

- Amor, na época em que a gente estudava, todo mundo era bicho. Igual hoje os jovens se chamam de veio...
- Ah, bom...

Fomos andando pela ponte e o Luiz começou a falar da Alice.

- Kaplan, você é um entendido no assunto. Ele é fotógrafo, amor. Me diga, Alice não é um monumento?

Ela ria e eu comecei a achar que o Luiz estava bêbado...
Concordei. Sim de fato, era um monumento.

- Pois é, e eu fico falando com ela que ela usa roupas muito fechadas, precisa se mostra mais, dar uma de exibicionista mesmo. Ninguém nos conhece aqui, a gente pode se divertir com ela dando uns lances daqueles gostosos...
- Kaplan, seu amigo é doido. Ele queria que eu viesse de camiseta e sem sutiã... vê se pode uma coisa dessas...
- Kaplan, você ainda não viu os seios dela... maravilhosos... eu fico constrangido de ser o único que posso ver... você sabe que sempre fui de compartilhar tudo...

Eu não sabia o que falar, ficava rindo e ela também...

- Mas você já imaginou se alguém que ver meus seios cismar de vir pra cima?
- Não vem, já te falei... estando comigo ninguém vai meter a cara. Os seios dela são demais. Mostra pra ele, Alice. 

Ele tinha razão! Belos seios!
Ela olhou pra mim e pra ele. Olhou pros lados, não tinha ninguém. Então levantou a camiseta e o sutiã. Realmente... lindos... tudo em pé,durinhos. Tive de elogiar.

- Ele queria que eu fizesse topless aqui na praia... eu ia ser presa!
- Ia ser presa nada...

Tomei a palavra.

- Olha, eu talvez tenha a solução. É o seguinte. Alice, você acabou de me conhecer e já me mostrou os seios. Posso acreditar que mostraria para outras pessoas, de longe, em total segurança?
- Acho que sim, mas como seria isso?
- Minha esposa, a Meg, sempre fez questão de dar um showzinho exibicionista, em todo lugar que a gente ia. No ultimo dia,  na hora de ir embora, ela ficava na varanda ou, se não tinha varanda, ela abria as cortinas de fora a fora e ficava nua, dançando, rebolando... adorava ver nas janelas dos prédios vizinhos gente olhando até de binóculo. Dava adeus, e a gente ia embora. Ninguém ficava sabendo quem era aquela maluca... o hotel em que vocês estão tem varanda? Se tiver, é o local certo e se quiserem eu até fotografo!

Luiz ficou satisfeitíssimo em saber disso e convenceu a Alice. Então voltamos para ela dar o showzinho dela na varanda do hotel.
Enquanto ela se preparava, o Luiz confidenciou que ela estava era fazendo charme. Era bem safadinha! 

Ela fazia charme mesmo... pra mim!
Pois bem. Ela voltou, ligou a televisão num canal de música e foi pra varanda, dançando e começando o strip... e eu tirando as fotos...

Não demorou para a camiseta e  sutiã desaparecerem e os belos seios começaram a ser exibidos. Lentamente ela começou a baixar a calça. Que bundão! Perfeito! Calcinha fio dental que ela exibiu pra quem estivesse olhando.
Ai resolveu parar.

- Não vai tirar a calcinha?
- Não, é demais pra mim...

Correu pra dentro do quarto... e encontrou o Luiz sentado, pelado, excitado.

- O que você quer fazer aqui na frente do seu amigo?
- Tudo...

Ela sorriu,tirou a calcinha, deitou ao lado dele e começou a chupar-lhe o pau. Ficou uns dez minutos chupando e ele fez sinal para eu fotografar. 

Como fotografar e não se excitar?

Quando a fotografei bem de frente, com  o pau dele na boca, os olhos dela estavam bem convidativos, mas não falei nada.

Dali a pouco ela segredou algo a ele que me chamou e disse que ela queria me chupar também.

 Então o final daquele encontro não teve fotos.

 Deixei a máquina na mesa, tirei a roupa, fui chupado e tive o prazer de comer a Alice.

 E até DP rolou!


quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

A morena queria alugar um apê


E não é que ela conseguiu?            

(escrito por Kaplan) 


Virginia procurava um bom apartamento. Pequeno, afinal ela morava sozinha.  Precisava ter um preço bom.
Entrou numa imobiliária e foi atendida pelo César, que, de cara se encantou com a morena bonita.Ela explicou o que precisava, ele anotou tudo e ficou de ligar assim que fizesse uma pesquisa para encontrar o que ela precisava.

Dois dias depois ele ligou. Disse que havia encontrado vários e quis saber da disponibilidade de tempo dela para visitarem. Felizmente ela estava de férias na faculdade e tinha o dia inteiro.Então marcaram uma hora e ele foi apanhá-la. Ela usava uma minissaia, mas tão mini, que quando entrou no carro ele conseguiu ver a calcinha dela, sem precisar de mexer o pescoço.

Viram dois que não agradaram. E o terceiro foi uma surpresa: o dono do apartamento o alugava com móveis. Ela achou ótimo, não iria precisar de comprar nada. Os moveis estavam novos, muito bem cuidados. 

Ele aluga com tudo, até a cama!
Olharam o apartamento todo e pararam justamente no quarto, onde uma cama de casal estava convidativa. Sentaram-se nela e ficaram conversando. Ele falava da vantagem dos móveis, mas disse que tudo estava fotografado e guardado na pasta da imobiliária e haveria uma inspeção quando terminasse o contrato. Se algo estivesse quebrado ou faltando, ela teria de pagar por isso.

Enquanto conversavam,ele não conseguia tirar os olhos das pernocas dela. Grandes pernas, bem torneadas. Ela era bem alta, mais alta do que o César.

- Com essas pernas grandes você vê o mundo bem de cima!

Ela riu.

- São tão grandes assim não...
- Claro que são. Graças a elas você é mais alta do que eu.

Como ela já estava percebendo a excitação dele e ficara interessada porque o César era um gato, ela ficou de pé e falou com ele para levantar. Encostou seu corpo no dele e confirmou que era mesmo mais alta. E ele aproveitou, segurou na cintura dela e deu um pulo, como se quisesse ficar da mesma altura dela. E com o pulo ele aproveitou para dar-lhe um beijo no pescoço.

- Rapaz... você é mesmo atrevido...
- Não gostou?
- É... foi uma boa surpresa...
- Mas para ganhar outro, você tem de sentar...

Ela riu. E sentou. Ele entendeu que ela queria mais, sentou ao lado dela e deu-lhe outro beijo, este na boca.

- Beija bem...
- Obrigado. 

Pernas lindas...
E seios maravilhosos... (foto: Kaplan)
 - Quer dizer que ficou de olho em minhas pernas...
- Impossível  não ficar...
- E gostaria de ver mais coisas?
- Tudo o que você quiser me mostrar!
- Tenho seios bonitos. Quer ver?
- Com certeza!

Ela tirou a blusa. Estava sem sutiã e os seios apareceram para o César. Eram realmente lindos, e foram beijados e mamados por ele. 

Ela mesma levantou a saia  e ele viu a minúscula calcinha que ela usava. Apertou os grandes lábios e em seguida tirou a calcinha e chupou-lhe a xotinha.


Será que alugando, esse corretor vem junto?
Suspiros e gemidos se fizeram ouvir. Ela estava gostando muito do que o Cesar fazia. Aquela cama tinha sido providencial...

Já nua, ela assistiu o Cesar tirar a roupa também. Pau já em ponto de bala. Deitada na cama, ele em pé, ela começou um demorado boquete, ao final do qual sentou-se no pau dele e ficou cavalgando. Gemidos cada vez mais intensos se fizeram ouvir. Aproveitando que ele era bem dotado, ela foi descendo o corpo, de costas para ele, até ficar completamente deitada no corpo dele, e  o pau continuou dentro. Ela não cavalgava mais, ele que ficava movimentando.
Ela voltou a ficar sentada, pulou mais um pouco e depois foi fazer novo boquete.

- Já te falaram que seu pau é muito gostoso pra gente chupar? Pode falar, não sou ciumenta...

Riram e ele disse que sim, já tinha recebido dois elogios do tipo.

- Já transou com alguma aqui nessa cama?
- Mas você é muito curiosa...
- Adoro saber e fazer coisas proibidas... anda, me diga se já.
- Está bem... sim, ontem mesmo eu trouxe uma cliente aqui e rolou.
- Nossa... isso me deixa muito excitada...

Sentou no pau dele de novo, mas agora de frente pra ele e cavalgou furiosamente, demonstrando o tesão que ficara ouvindo a confissão dele.
Parou de pular e perguntou:

- O que você e ela fizeram? ela te cavalgou?
- Não, por incrível que pareça foi só papai e mamãe.
- Nossa... ainda fazem isso? Faz comigo?  Nunca fiz!
- Jura?
- Sim, sempre me pareceu coisa bem antiga...

Ele fez e ela gostou.

- Bem interessante... gosto muito de cachorrinho, você gosta?
- Muito...
- Aguenta?
- Tá  me desafiando... vem cá,gostosa! 

Que bom... ele conhece todas as posições!
Colocou-a de quatro em cima da cama e meteu gostoso,ela adorou, gemeu bastante, gozou. E ele ainda meteu nela de ladinho, deixando-a suada, cansada...
E aí ele gozou, na barriguinha dela.

- Uau, rapaz... já sei porque você é campeão de vendas da imobiliária...
Você só dá esse tratamento especial a mulheres ou também a homens?
- Já comi um cliente gay uma vez...
- Tá brincando... quer me horrorizar...
- Não,é verdade...
- Me conta enquanto a gente toma um banho?

Foram ao banheiro,entraram no chuveiro e ele falou como tinha sido.

- Teve beijos?
- Teve, mas foi a parte que não me agradou muito. Comer o cu dele foi bom, aliás, adoro comer um cu...

Terminaram o banho. Enquanto se enxugavam, ela virou-se pra ele e falou:

- César, adorei esse apartamento, acho que vou ficar com ele. Mas se você me mostrar ele de novo amanhã, prometo que deixo você comer meu cuzinho.
- Combinadíssimo, garota das pernas longas!